5 de junho de 2018

Construtivismo e Construcionismo

Construir

Construir conhecimento construindo modelos e coisas concretas, baseado em muitas ideias do campo da psicologia e da ciência comportamental.

Exploraremos duas destas ideias: O Construtivismo e o Construcionismo.

O Construtivismo

Jean Piaget é provavelmente mais conhecido pela sua teoria das etapas do desenvolvimento infantil.

Porém mais fundamental que a sua teoria das etapas é a de que o conhecimento não é simplesmente “adquirido” pouco a pouco pelas crianças, mas construído em estruturas coerentes e sólidas chamadas “estruturas cognitivas”.

As crianças constroem (e desenvolvem) essas estruturas baseadas em suas experiências no mundo.

Piaget descobriu que crianças não só absorvem experiência e informação de maneira passiva, mas também constroem teorias de maneira ativa.

Em um de seus mais famosos experimentos, Piaget descobriu que as crianças pequenas pensam que a quantidade de água muda quando ela é colocada em um vaso baixo e largo, ou em um recipiente alto e fino.

Essas crianças desenvolveram uma teoria que funciona na maioria das vezes, que é, quanto maior o vaso, maior o volume.

Esta teoria foi construída a partir de muitas experiências, o que fez adquirir uma estrutura sólida.

A mera insistência não consegue convencer essas crianças que água não muda de quantidade.

Elas devem desenvolver uma nova e sofisticada estrutura de conhecimento, que leve em consideração a teoria, novamente baseada em sua própria experiência, onde “mais largo” também pode significar “mais volume”, antes que elas considerem que a quantidade de água não muda.

A teoria do conhecimento de Piaget afirma que é a criança que desenvolve ou constrói conhecimento é chamada de Construtivismo.

As crianças não são consideradas recipientes vazios, nos quais podemos despejar conhecimento. Pelo contrário, são desenvolvedores de teorias que constroem e reorganizam o conhecimento, baseando-se em suas experiências no mundo.

Construcionismo

Seymour Papert estava convencido pela teoria de Piaget sobre o Construtivismo, mas queria estendê-la para os campos da Teoria do Aprendizado e da Educação.

Considerava que os ambientes escolares convencionais eram muito estéreis, passivos ou dominados por instrução.

Tais ambientes não permitiam que as crianças fossem construtores ativos, o que ele sabia que eram.

Posteriormente, Papert deu a esta teoria o nome de “Construcionismo”.

Esta teoria inclui tudo que estava associado ao construtivismo de Piaget, mas foi além ao afirmar que o aprendizado construtivista acontece especialmente bem quando as pessoas estão comprometidas em construir um produto, algo externo delas mesmas, como um castelo de areia, uma máquina, um programa de computador ou um livro.

Quando as pessoas constroem modelos e coisas concretas no mundo, elas, simultaneamente, constroem teorias e conhecimento em suas mentes.

Então, este novo conhecimento permite construir coisas ainda mais sofisticadas no mundo, o que irá gerar mais conhecimento.

Papert começou a pensar pela primeira vez sobre o construcionismo no final dos anos 60, após observar um grupo de estudantes, que durante várias semanas trabalhou ativamente e com grande concentração na criação de esculturas de sabão nas aulas de artes plásticas.

Esta experiência o marcou profundamente e várias coisas o surpreenderam:

  • nível de engajamento dos alunos
  • criatividade e originalidade dos produtos
  • interação e colaboração entre os estudantes
  • duração do projeto
  • a simples diversão e prazer que a experiência proporcionava