5 de junho de 2018

O valor do pensamento concreto

no construcionismo

Papert se baseou e desenvolveu o construcionismo a partir do construtivismo de Piaget, e encontrou alguns inconvenientes na teoria de Piaget.

Para ele o “pensamento concreto” não é como uma etapa pela qual as crianças passam, mas sim como um estilo de pensamento lógico ou formal que tem seus próprios benefícios.

Em sua opinião, é um erro descartar ou renunciar o pensamento concreto, a favor pensamento puramente abstrato.

Assim, o construcionismo não é apenas uma teoria sobre como facilitar o aprendizado infantil. Se aplica também aos adultos.

Na teoria de Papert, é preciso uma maneira de fazer com que as relações e ideias abstratas se tornem mais concretas,  mais visuais e de caminhos até um conhecimento que não se pode acessar de outra forma.

Ao “pensarmos com as mãos” liberamos energias criativas e formas de ver as coisas, que de outra maneira nunca exploraríamos.

Empresa são aglutinados de pessoas com uma ampla rede de conexões e relações complexas que se dão em diferentes níveis.

Quando se constrói um modelo de uma empresa – o negócio no sentido sistêmico da palavra – pode-se ver coisas que antes não se podia ver.

Dessa maneira, percebe-se cenários com estratégias antes opacas e que não se podia compreender, de uma maneira mais holística.

Pode-se jogar e fazer todo tipo de pergunta tais como:

  • O que aconteceria se o nosso fornecedor falisse?
  • O que aconteceria se transferíssemos nossa equipe de marketing?
  • O que aconteceria se nossas vendas duplicassem?

Ver gerentes e colaboradores jogarem com o negócio pode parecer estranho.

Mas jogar não deve ser visto como um passatempo, mas sim uma atividade séria que libera energias criativas.

E essas “energias” são tão necessárias no mundo dos negócios atualmente, que não se deve ignorar este potencial.